Pay as you go

Conforme Parizotto (2010, p. 36) este tipo de cobrança denomina que a empresa vai pagar somente o que contratar e pelo tempo utilizado ou recursos contratados. É muito caro manter uma infraestrutura necessária para rodar diversos sistemas, por exemplo, servidores web, banco de dados, em especial para organização de pequeno e médio porte. Torna-se um problema, quando as empresas dispõem do capital e recursos necessários para fazer investimentos, porém, estas não utilizam toda sua capacidade, e alocam seus recursos para áreas desnecessárias.

Parizotto (2010, p. 37) considera ainda que a computação em nuvem permite às organizações pagarem por hora o uso de recursos de computação, o que leva a redução de custos.

O apelo econômico da Computação em Nuvem, de converter despesas de capital (CAPEX) em despesas operacionais (OPEX), é bem forte, e o modelo de pagar por uso, ou “pay as you go”, captura muito adequadamente o benefício econômico da proposta. As horas de computação adquiridas de uma nuvem podem ser distribuídas de forma não uniforme, ou seja, podemos usar 80 horas de servidor hoje e apenas 5 amanhã, e pagaremos apenas 85 horas. Adicionalmente, pelo fato de não ser necessário provisionar antecipadamente capex, podemos deslocar este capital para algum investimento diretamente relacionado com o próprio negócio da empresa. Os modelos contratuais são diversos, mas geralmente contratam-se horas de processador, espaço em disco e volume de dados trafegados entre os servidores e os discos (FREIRE, 2010, p. 44)

Segundo Taurion (2009, p. 35), no modelo tradicional o cliente compra uma licença de uso, paga um valor fixo e é forçado a pagar por diversas atualizações sempre que necessário, e muitas vezes ainda paga pelo suporte ou deslocamento de um técnico especializado para fazer o software funcionar ou resolver problemas que em muitos casos não são lógicos e sim físicos. Em computação em nuvem no modelo de software como serviço, pode-se comparar com a analogia de uma conta de energia elétrica. Paga-se uma taxa mensal pelo que foi utilizado e os programas são acessados pela Internet, sem nenhum trabalho extra e de fácil suporte sem deslocamento e custos extras.

Referências:

FREIRE, Flávia. Cezar Taurion ameniza as tempestades de questionamentos sobre cloud computing. TI Digital, Rio de Janeiro, RJ: Arteccom. n. 12, p. 40-47, fev. 2010. Disponível em: <www.arteccom.com.br/revistatidigital/downloads/12/link_12_4047.pdf >. Acesso em 14 jun. 2011.

PARIZOTTO, Rogério Torres. Cloud computing: aplicações de saas e paas em uma rede de supermercados de varejo. 2010. 83 f. (Monografia) Faculdade de Tecnologia Zona Leste. São Paulo: 2010. Disponível em: <http://fateczl.edu.br/TCC/2010-2/TCC-011.pdf&gt;. Acesso em: 15 jun. 2011.

TAURION, Cezar. Cloud computing: computação em nuvem: transformando o mundo da tecnologia da informação. Rio de Janeiro: Brasport, 2009.